quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Perigo! Alguns remédios podem prejudicar a audição! Leia a bula, pergunte a seu médico e evite a automedicação.

Photo de SôRamires
Saúde

Uso de remédios sem controle pode causar surdez
O uso prolongado, em altas doses, de quase 60 remédios, pode provocar tonteira, zumbido e até surdez. Entre as substâncias que mais podem causar problemas de audição estão, por exemplo, o salicilato de sódio - comum em remédios para inflamação e dor, diuréticos e anticoagulantes.

A fonoaudióloga Isabela Gomes, do Centro Auditivo Telex, alerta para os riscos da automedicação. "Infelizmente, é comum as pessoas tomarem remédios por conta própria, influenciadas pela indicação de vizinhos e amigos, o que é perigoso. As substâncias conhecidas como ototóxicas causam lesões graves e, muitas vezes, irreversíveis à cóclea, a parte do ouvido humano responsável pela audição".
Embora nem sempre possam ser evitados, os remédios ototóxicos devem ser ingeridos com conhecimento médico para evitar problemas. O ideal é que, antes do tratamento, sejam feitos exames para verificar se já existe alguma lesão que possa se agravar com o uso do remédio.
Os quimioterápicos, usados no tratamento de câncer, e os antibióticos da família dos aminoglicosídeos, usados na prevenção e no tratamento de infecções pós-operatórias, são outros exemplos de remédios que podem acarretar danos irreversíveis à audição.
É um dilema enfrentado pelos médicos. Bebês prematuros também correm riscos, já que precisam tomar antibióticos para combater determinadas infecções respiratórias.
"Os recém-nascidos com baixo peso são muito expostos a infecções e precisam desses remédios, mas é preciso atenção. Hoje o teste da orelhinha é uma avaliação realizada em muitos hospitais, e em alguns estados, inclusive, é obrigatório que todos os bebês sejam examinados para saber se existe alguma perda auditiva", lembra a fonoaudióloga Isabela Gomes.
A situação é ainda pior para aqueles bebês que precisam passar um bom tempo na incubadora, porque, além dos remédios, eles são prejudicados pelo barulho nas incubadoras, que pode chegar a até 100 decibels.
Quando a perda auditiva causada por medicamentos ototóxicos ocorre ainda na infância, a lesão da cóclea - responsável por transmitir a vibração sonora do ouvido até o cérebro -, traz problemas para a fala e o aprendizado.
"Nesses casos, a perda auditiva é irreversível e o processamento do som sofre prejuízo. Perde-se a capacidade de perceber com clareza a voz humana, os sons do ambiente e até a própria voz", explica a fonoaudióloga.
Os efeitos da ototoxidade dos remédios são amplos e atingem indivíduos de todas as idades. Nos ouvidos, esses medicamentos causam uma perda neurossensorial, temporária ou definitiva, de grau variado (de leve à profunda), de acordo com o remédio, a dose ingerida e o tempo de tratamento.
"Aconselho a quem tem alguma dificuldade auditiva que procure um especialista o mais rápido possível. A perda auditiva pode ter muitas causas: trauma acústico, infecções, idade avançada, mas pode ser conseqüência também de um medicamento ototóxico", conclui a fonoaudióloga do Centro Auditivo Telex.
JB Online

Otosclerose: saiba mais.

Dr. Joseph Romeu é otorrinolaringologista do Centro de Otorrinolaringologia de Reus em Barcelona -

A perda gradativa de capacidade auditiva pode ser um dos sintomas da Otosclerose.A Otosclerose (ou Otospongiose) é uma doença do ouvido médio, porção interna do tímpano, que pode levar a surdez. Ela pode surgir em qualquer idade, embora seja mais frequente a sua aparição por volta dos 30 anos de idade. A perda da audição é lenta e gradual, geralmente em ambos os ouvidos, e o surgimento de zumbidos, algumas vezes acompanhado de vertigens, manifesta-se em conjunto com a surdez.Como o avanço da doença (de 10 a 15 anos) é relativamento lento, muitos pacientes se dão conta do problema apenas quando a Otosclerose já encontra-se em um estágio mais avançado, motivo pela qual, na maioria dos casos, ele só é percebida na fase adulta.Estudos indicam que aproximadamente 1 a cada 200 pessoas seja afetada por essa doença, que manifesta-se mais frequentemente em mulheres e agrava-se durante a gestação.A causa da otosclerose é hereditária, visto que ela é o resultado de uma formação óssea anormal, que impede as vibrações sonoras de passarem para o ouvido interno.DiagnósticoO diagnóstico é realizado através de exame clínico e testes auditivos, como Audiometria e imitanciometria. O estudo radiológico e Tomografia computadorizada podem contribuir para a localização do foco de otosclerose.TratamentoEmbora a utilização de um aparelho auditivo possa melhorar a audição, o tratamento permanente pode ser cirúrgico ou clínico.Cirúrgico: através da substituição de um pequeno osso do ouviso, chamado estribo, por uma prótese plástica ou metálica.Clínico: através de tratamento à base de fluoreto de sódio e outros componentes como vitaminas, carbonato de cálcio e outros. Segundo o Dr. Joseph Romeu, otorrinolaringologista do Centro de Otorrinolaringologia de Reus em Barcelona - Espanha, "o tratamento é cirúrgico, se for exclusivamente no ouvido médio e localizado na platina do estribo ou zonas adjacentes." Em relação ao tratamento clínico, o doutor destaca que "a prevenção mediante a ingestão de flúor pode ser correta mas nem sempre efetiva, já que o caráter genético desta doença é fundamental.
TEXTO SOBRE A SURDEZ NA INFÂNCIA

6 comentários:

elizabeth disse...

Não tenho certeza sobre a verdadeira causa de minha surdez mas entre elas consta o uso de antibióticos. Certa vez um médico perguntou-me se eu havia tomado o medicamento" Ambrasinto" . Perguntei p/ minha mãe e ela confirmou que tomei muito.Precisamos tomar cuidado com o uso indiscriminado de medicamentos.Sempre aconselho minhas cunhadas a evitarem o uso nas crianças principalmente porque minha família tem predisposição para surdez. Muito oportuno esse post.

Movimento Surdos Usuários da Língua Portuguesa disse...

Liz,os médicos já me fizeram essa pergunta também!

soramires disse...

E no meu caso é bem provável que tenha sido Tetrex (antibiótico) que um pouco antes de aparecer a surdez foi indicado para alguma coisa na minha garganta. Meu erro talvez tenha sido tomar o remédio seguidamente, também médico foi irresponsável, era uma época em que davam antibiótico para tudo!!!

Anônimo disse...

Estou fazendo o curso de libras em Goiania - Brasil, mas meu marido ira trabalhar em Barcelona - Espanha, gostaria de saber se tem como fazer um curso de linguas de sinais em barcelona... como posso conseguir... Sou apaixonada por linguas de sinais. Qualquer resposta envie para: cidinhagyn@hotmail.com

soramires disse...

Este blog pertence ao movimento SULP - Surdos Usuários da Língua Portuguesa. Por favor pergunte nos sites ou grupos de libras que com certeza terá a informação que necessita. Abraços.

Anônimo disse...

Tenho perda neurosenssorial nos 2 ouvidos. Sei que esta perda pode estar relacionada a lesão na cóclea, órgão da orelha interna. A causa dessa lesão pode ser (dentre outros) o uso de medicamentos ototóxicos. Minha mãe conta que, quando criança, tomei muito antibiótico, porque constantemente tinha inflamação na garganta. Além disso, tive sarampo e catapora quase juntos. O uso excessivo de antibióticos num curto intervalo de tempo, pode ter sido a causa da minha perda auditiva; segundo avaliação de alguns médicos.

Postar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO