terça-feira, 13 de outubro de 2009

Ouvido biônico implantado pelo SUS...Reportagem da Globo

Queridos leitores e amigos, agradecemos a sua visita ao nosso blog e diante dos pedidos de informação lembramos que os endereços eletrônicos do SUS e núcleos de implante coclear estão no final desta matéria, e agora repetiremos aqui:

Esclareça dúvidas também pelo
0800.772.73.27.

http://www.implantecoclear.org.br/


Informação do SUS: Saude Auditiva - Prestadores / SUS

http://cnes.datasus.gov.br/Mod_Ind_Especialidades.asp?VEstado=00&VMun=00&VTerc=00&VServico=107&VClassificacao=00&VAmbu=&VAmbuSUS=1&VHosp=&VHospSUS=1
Clicando
nesta página você poderá localizar por Estado e Município os endereços do SUS ou conveniados para prestação de serviços em Saúde Auditiva:Diagnóstico, tratamento, reabilitação, implantes, etc

basta clicar no nome que se abrirá a página correspondente.
Obrigada SôRamires - SULP




Link da página com o vídeo:

http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1339331-16022,00-VIDA+DE+UMA+FAMILIA+GANHA+NOVO+SENTIDO+O+SOM.html

O Portal de Notícias da Globo
Vida de uma família ganha novo sentido: o som
Ouvido biônico implantado pelo SUS permite que mãe, pai e filha, todos surdos, descubram o inédito prazer da audição.




O vídeo não tem legendas mas este é o texto do que é falado:

Conheça a história de Érika, Emerson e Emily, uma família de surdos que está descobrindo os sons. Tudo graças a um aparelho, o ouvido biônico.
Esse avanço tecnológico permite que sentimentos, que antes eram expressados por gestos, a linguagem dos sinais, ganhem a força de um sentido novo: a audição.
Lola entende a linguagem dos surdos mudos.
Sabe a hora de deitar, a hora de passear.
Emerson nasceu sem ouvir os sons do mundo, casou com Erika, também deficiente auditiva e tiveram uma filha, Emily. Quando Erika ainda estava grávida, o grande medo dela era que a filha nascesse sem poder escutar.
”Eu falava: ‘Olha Érica, eu não sei, mas eu sei também que filho de japonês, nasce japonês. Mas ela tinha aquela esperança de que ela não viesse surda”, diz Vilma Maria Simionatto, mãe da Erika. Emily, quando nasceu, ouvia menos que Erika, a mãe.
“Eu chorei, porque eu lembrei da minha vida, como aquilo me impactou por falta de amigos, falta de comunicação. Não quero ver ela sofrer como eu passei”, diz Erika.
Os tempos eram outros. Quando Emily tinha quase dois anos, recebeu o implante coclear, o ouvido biônico, um equipamento eletrônico que substitui o ouvido de pessoas com surdez total. O aparelho é muito caro, mas foi colocado gratuitamente no Hospital das Clínicas de São Paulo. Primeiro foi Emily, depois a mãe dela, Erika, e finalmente o pai, Emerson.
“No caso dele foi diferente da minha nora e minha netinha. Ele achava que estava dando choque nele, mas não era choque era o som que ele nunca tinha ouvido e parecia que estava estremecendo dentro dele. O médico falou que vai demorar de dois a três anos para ele conhecer todos os sons, para se acostumar com o som”, diz Meire Fernandes, mãe do Emerson. O som é o que vem primeiro, antes da imagem. É o que dá forma às sensações. É o que cria o ambiente. É o som que dá o tom das emoções.
“Uma vez no trânsito ele disse: ‘O que é aquele barulho? É a ambulância’”, conta Erika. Emily, por ser criança, foi quem teve a melhor adaptação e hoje escuta e sabe reconhecer todos os sons. Foi por causa de Emily que Erika e Emerson se viram obrigados a também fazer o implante coclear. Emily, cada vez mais, não quer saber de conversar na linguagem dos gestos. Erika está no meio do caminho. Conhece a linguagem dos gestos, mas é uma comunicação já apagada na sua vida. Ela está encantada com as descobertas dos mais variados sons. “Quando pôs água no copo ela falou: ‘Que barulho lindo da água caindo no copo’”, conta a avó. “Fiquei tão emocionada quando a fono pediu para eu falar alguma coisa. Comecei a falar e disse: ‘Nossa, a minha voz é muito rouca’”, diz Erika. O encanto de ouvir o som da própria voz, o encanto de descobrir nela a própria identidade. Erika, agora, pode ouvir segredos.
Pode falar baixinho no ouvido da filha e Emily, mesmo sem gostar da linguagem dos gestos, sabe reconhecer quando ela é necessária. Nesses momentos em que a filha quer que o pai entenda as coisas importantes que ela tem para lhe dizer. “Fala para o papai que eu amo muito você e o papai”. A menina, então, faz o gesto e abraça o pai. Esse aparelho que toda a família está usando pode ser implantado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em todo o país, gratuitamente.




Informação do Portal de Notícias da Globo:


Implante Coclear
O "ouvido biônico" é um equipamento que substitui totalmente o ouvido de pessoas que tem surdez total ou quase total. Ele pode ser colocado gratuitamente pelo SUS em todo o país.


Nos endereços abaixo você encontra mais informações sobre este implante e também a lista dos centros de implantes coclear existentes no Brasil.

Esclareça dúvidas também pelo 0800.772.73.27.

http://www.implantecoclear.org.br/

http://teste.politec.net/?page=produtos&lid=7&cid=18

Informação do SUS:
Saude Auditiva - Prestadores / SUS


http://cnes.datasus.gov.br/Mod_Ind_Especialidades.asp?VEstado=00&VMun=00&VTerc=00&VServico=107&VClassificacao=00&VAmbu=&VAmbuSUS=1&VHosp=&VHospSUS=1Clicando

nesta página você poderá localizar por Estado e Município os endereços do SUS ou conveniados para prestação de serviços em Saúde Auditiva:Diagnóstico, tratamento, reabilitação, implantes, etc

Mais notícias sobre implante: Por Lak Lobato

http://desculpenaoouvi.laklobato.com/index.php/2009/10/23/upgrade-de-placa-e-som-completo-loading/

http://desculpenaoouvi.laklobato.com/index.php/2010/05/06/vacinas-pre-implante/#comments



Há argumentos contra o implante, mesmo não concordando colocamos esse ponto de vista dos que discordam dos benefícios do implante coclear:
http://www.jcnet.com.br/busca/busca_detalhe2009.php?codigo=168864

No mesmo jornal :

25/10/2009 - Geral
Especialistas alertam para os perigos do radicalismo
Embora reconheçam a importância de os surdos se afirmarem enquanto sujeitos a partir da língua de sinais, os especialistas alertam para os perigos daquilo que definem como radicalismo. “Nos adultos, a surdez é um elemento cultural. O indivíduo nasceu assim, quer continuar assim e não há muitos meios de mudar essa situação. As coisas se tornam diferentes quando uma criança nasce com perda de audição. Nesses casos, defendo que ela passe pelo implante coclear, para que tenha condições de ouvir.

Mais tarde, se quiser aprender a língua de sinais, não haverá problema algum”, pensa a coordenadora do Núcleo Integrado de Reabilitação e Habilitação (Nirh) do Centrinho, Maria José Monteiro Benjamin Buffa.
A pedagoga Maria Elizabete Lima Neuenfeld acredita que muitos surdos entendem a tecnologia do implante como uma espécie de assassinato da própria cultura, baseada na língua de sinais. “Apesar de não ouvirem nem falarem, os surdos encontraram meios de desenvolver a própria subjetividade. Isso não quer dizer que eles não devam aprender a língua dominante, para poderem se inserir na sociedade”, pensa.
A também pedagoga Valderes Elena Rodrigues lembra que, por muito tempo, a língua dos gestos foi deixada de fora do processo de aprendizado dos surdos. “Eles até a utilizavam, só que fora da escola. Dentro de sala de aula, eram impedidos de se expressar por sinais”, explica.De acordo com ela, hoje, quando gozam de ampla liberdade para se comunicarem da forma como bem entenderem, os surdos correm o risco de cair em um outro extremo. “Eles enxergam o implante como um tipo de repressão - uma tentativa da sociedade de impedir que seus iguais utilizem a língua de sinais”, diz Rodrigues.


Mais uma reportagem sobre implante coclear:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u704269.shtml






11 comentários:

Anônimo disse...

tenho um tio que nasceu surdo gostaria de informações, sobre o implante ,do ouvido bionico meu nome é Anderson meu email é anderso.pereira@hotmail.com por favor, me informe obrigado.

soramires disse...

Por favor veja os sites indicados no fim do texto onde a pessoa interessada poderá saber mais.
Tem também a página do SUS para encontrar os endereços de atendimento no Brasil todo.

elizabethvilleraze disse...

Li a reportagem dos que são contra o que me intrigou foi o depoimento do intérprete que diz que todos os deficientes auditivos devem aprender a língua de sinais. Para mim o motivo é meramente em benefício dele próprio.

soramires disse...

Elizabeth, tem gente que é contra o implante, contra a oralização e acha que para todo e qualquer surdo a língua deve ser a dos sinais.
Como sempre dizemos, são vários os tipos de surdez, a idade em que se perde a audição, há casos em que implante funciona e outros não se recomenda. Mas como somos Surdos Usuários da Língua Portuguesa é através da língua portuguesa falada e escrita que desejamos nossa participação na sociedade.

Anônimo disse...

Tenho uma sobrinha de 9 anos que é ouve 20% de apenas 1 ouvido. Gostaria de saber o endereço e como agir com relação ao implante aqui citado. Por favor mande as respostas para o e-mail: neiafontesdias@yahoo.com.br
Obrigada!

soramires disse...

Peço por gentileza que releia a matéria acima, onde indicamos os vários links e telefones para que as pessoas interessadas saibam mais.
Basta clicar nos endereços eletrônicos indicado. Obrigada.

Sandro Bartolomeu R. de Melo disse...

Eu nasci um surdo e meu amigo surdo que também, gostaria de informações sobre o implante, do ouvido biônico pelo SUS? Sou Sandro, meu e-mail é sandromelo26@yahoo.com.br. Obrigado. Recife-PE

soramires disse...

Amigos os endereços para informações estão na própria matéria do blog, para encontrar mais facilmente coloquei na abertura do texto.

Anônimo disse...

Olá Meu nome é Henrique tenho uma jóia em minha vida que é uma Filha de 13 anos, de nome Bárbara, nasceu com rubéola congênita, hoje a maior barreira é pra na parte da comunicação, acredito que esse grande avanço vai beneficiar bastante a evolução da minha doce menina.
Gostaria de me informar onde é que se escreve para receber essa Graça pelo SUS?
Tem fila de espera ?
Onde devo me dirigir ?
Desde Já agradeço atenciosamente.

Anônimo disse...

Olá Meu nome é Henrique tenho uma jóia em minha vida que é uma Filha de 13 anos, de nome Bárbara, nasceu com rubéola congênita, hoje a maior barreira é pra na parte da comunicação, acredito que esse grande avanço vai beneficiar bastante a evolução da minha doce menina.
Gostaria de me informar onde é que se escreve para receber essa Graça pelo SUS?
Tem fila de espera ?
Onde devo me dirigir ?
Desde Já agradeço atenciosamente.
henrique.sl.junior@gmail.com

soramires disse...

Henrique, peço a gentiliza de reler toda a matéria onde indicamoa páginas da internet referente ao SUS e outros locais onde se pode obter mais informação.

Postar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO