sábado, 3 de janeiro de 2015

APARELHO AUDITIVO FABRICADO NO BRASIL = QUE FIM LEVOU O PROJETO?

http://www.usp.br/agen/?p=17808


FMUSP desenvolve aparelho auditivo digital de baixo custo
Pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) desenvolveram um aparelho auditivo digital de baixo custo a partir de componentes padronizados. Trata-se de um modelo “genérico” de aparelho auditivo retroauricular (usado atrás da orelha), batizado de Manaus, que apresenta, entre os diferenciais, autonomia de 440 horas com uma bateria e quatro programas de adaptação, além de baixo custo operacional (aquisição e manutenção). Outra vantagem é ser um produto nacional em um mercado dominado por empresas internacionais.
Podem ser criados vários produtos a partir da plataforma eletrônica genérica
“O Manaus apresenta um custo de produção artesanal de US$140,13, considerado baixo quando comparado aos disponíveis no mercado”, conta o engenheiro eletrônico Sílvio Penteado, do Laboratório de Investigações Acústicas (LIA) da FMUSP e autor de uma tese de doutorado sobre o tema. “Numa produção seriada esse preço poderia chegar a US$100,00”, completa. De acordo com Penteado, o projeto envolve uma plataforma eletrônica genérica, a qual permite o desenvolvimento de próteses auditivas de vários tipos.
A pesquisa de Penteado foi defendida em agosto de 2009, sob a orientação do professor Ricardo Ferreira Bento, do Departamento de Otorrinolaringologia da FMUSP, coordenador geral do projeto. A pesquisa teve a co-orientação do professor Nilton Nunes Toledo, da Escola Politécnica da USP.
Penteado conta que a Portaria 587 do Ministério da Saúde classifica os aparelhos auditivos como tecnologia A (básica), tecnologia B (intermediária) e tecnologia C (avançada), de acordo com seus recursos eletroacústicos. Segundo o engenheiro, os aparelhos auditivos disponíveis no mercado são comercializados no varejo com preços que podem chegar a até R$12.000,00 (tecnologia C). Já para o Sistema Único de Saúde (SUS), os valores são de R$525,00 (tecnologia A), R$700,00 (tecnologia B) e R$1.100,00 (tecnologia C). “Esses valores foram definidos pela Nota Técnica Informativa n°004, do Ministério da Saúde, datada de 01 de fevereiro de 2007. Antes disso, os aparelhos eram adquiridos exatamente pelo dobro do preço”, informa Penteado.
“Os aparelhos de tecnologia A são os modelos analógicos e representam 50% das prescrições do SUS. O tipo B é o intermédiário e têm 35% das prescrições. Já o tipo C é o de tecnologia um pouco mais avançada e responde por 15% das prescrições”, explica o pesquisador. “O nosso projeto foi idealizado e desenvolvido para atender a Portaria 587 do Ministério da Saúde. O modelo que desenvolvemos atende às especificações das tecnologias A e B. Isso representa 85% da demanda de aparelhos auditivos do SUS”, completa.
De acordo com o pesquisador, o Manaus poderá ser usado por pessoas com perdas auditivas classificadas como discretas, moderadas, e moderadas severas. “O aparelho já está em processo de patente e apresenta um ganho auditivo de 62 decibéis (dB)”, conta.
No Brasil, de cada 10 aparelhos auditivos vendidos, 6 são adquiridos pelo SUS. Em 2008, o País importou cerca de 242 mil próteses auditivas. Penteado explica que o custo de manutenção das próteses auditivas importadas é muito alto para os pacientes do SUS. “Se a prótese apresenta algum defeito após o prazo de garantia, que é de cerca de um ano, o usuário acaba desprezando aquele aparelho e solicita um novo para o SUS. Um dos objetivos do projeto é oferecer também uma manutenção de baixo custo”, destaca.
Além do Manaus, os pesquisadores também desenvolveram outros aparelho, a partir de componentes padronizados: o Florianópolis (tecnologia C), e o Rio de Janeiro e o Sabará (tecnologia B), sendo que estes dois últimos são intracanais (ficam na parte interna da orelha). “É possível fazer uma família de produtos a partir do mesmo conceito de plataforma eletrônica genérica” garante. Os componentes do aparelho são microfone, processador digital de sinais e receptor, desenvolvidos pelos pesquisadores, e que funcionam com uma programação específica que define o comportamento da prótese.
Software
Penteado explica que para os fonoaudiólogos — os profissionais responsáveis por adaptar os aparelhos auditivos para as necessidades dos pacientes — foi desenvolvido um software simples, autoexplicativo e que não necessita de recursos avançados de informática. “Alguns softwares são tão complexos que exigem que o fonoaudiólogo seja treinado para usar o recurso adequadamente, além de exigirem um computador mais avançado”, diz. Outra vantagem é que software foi desenvolvido com quatro programas de conforto, e o usuário pode selecioná-los de acordo com o ambiente em que estiver “Os aparelhos convencionais apresentam apenas dois ou três programas.”
Os testes com o Manaus foram realizados pela pesquisadora Isabela de Souza Jardim, com 60 pessoas portadoras de deficiência auditiva. O Manaus foi comparado a outros aparelhos disponíveis no mercado, classificados nas categorias A e B. “Os resultados foram considerados satisfatórios de acordo com protocolos internacionais”, destaca Penteado. Este trabalho faz parte do doutorado de Isabela, defendido no dia 3 de agosto na FMUSP, também sob a orientação do coordenador geral do projeto, o professor Ricardo Ferreira Bento.
Segundo Penteado, o conceito de equipamentos genéricos pode ser usado para outros produtos médicos como marcapasso, desfibrilador, bombas de infusão e equipamentos de diagnóstico, como audiômetros. “É um projeto que está inserido na Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde do Ministério da Saúde que recomenda o desenvolvimento de tecnologias de reabilitação de baixo custo”, aponta. De acordo com os pesquisadores, no último dia 6 de dezembro houve uma reunião com representantes do Ministério da Saúde, e a receptividade foi muito boa. “A idéia é propormos um modelo semelhante ao dos remédios genéricos para as próteses”, finaliza o professor Ricardo Bento.
Mais informações: (11) 3068-9855, (11) 6523-3007, ou emailspenteado@usp.br">penteado@usp.br, com Sílvio Penteado, ourbento@gmail.com">rbento@gmail.com, com o professor Ricardo Ferreira Bento

4 comentários:

Marivaldo Guimarães disse...

quero saber o que aconteceu com o projeto que ate hoje espero por esse aparelho fabricado no brasil mas parece que infelismente nao saiu dopapel

Marivaldo Guimarães disse...

quero saber o que aconteceu com o projeto que ate hoje espero por esse aparelho fabricado no brasil mas parece que infelismente nao saiu dopapel

soramires disse...

Infelizmente acho que não foi adiante. A última vez que perguntei me disseram que a patente havia sido vendida a uma empresa de aparelhos auditivos...minha dúvida, foi engavetado?
Eu também gopstaria de saber o que aconteceu.

soramires disse...

Tal vez o Dr. Ricardo Bento da USP, que faz implantes cocleares e foi orientador da tese possa dizer alguma coisa.Mais informações: (11) 3068-9855, (11) 6523-3007, ou emailspenteado@usp.br">penteado@usp.br, com Sílvio Penteado, ourbento@gmail.com">rbento@gmail.com, com o professor Ricardo Ferreira Bento

Postar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO