domingo, 26 de maio de 2013

Inimigos do IMPLANTE COCLEAR?...mas que preconceito, ignorância, intolerância!




Nós os surdos usuários de próteses auditivas de todo tipo, oralistas e oralizados, usuários da língua portuguesa, geralmente  nos manifestamos a favor. Sim senhores, a favor de legendas no cinema, teatro, TV, divulgamos a estenotipia em conferências e salas de aulas, avisos luminosos e escritos que dupliquem as informações dos avisos sonoros, divulgamos a existência de despertadores e relógios vibratórios, de telefones amplificados, FM, aro magnético, aparelhos auditivos, implantes e tudo que nos ajude a ouvir e a participar da cultura, educação e trabalho. 
Nunca nos manifestamos contra os que optam por se comunicar usando a língua de sinais porque acreditamos que cada um deve procurar o que mais se adapta a seus desejos.

Mas, infelizmente, grupos encastelados em universidades federais, saem elaborando teses e mais teses cujo único objetivo é atacar a oralização e cirurgias de implantes de todo tipo, cirurgias que nos permitam exercer um direito essencial: ouvir. Universidades federais são mantidas com nossos impostos e não devem ser um lugar que fomente o separatismo e ataques ao avanço técnico, médico, científico. Atacam cirurgias que são feitas pelo próprio SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE.  Me parece incoerente uma vez que o SUS é um órgão oficial do país.

Eu não uso implante coclear, minha surdez é corrigida com aparelhos auditivos potentes e eu não me imagino vivendo sem esses equipamentos. Posso ouvir e falar, participar da sociedade mais ampla utilizando os instrumentos que permitem acessibilidade.


Vejam este vídeo onde a Lak Lobato conta sua experiência de surdez adquirida e a recuperação da audição com o implante coclear:


Passo a palavra a uma escritora e publicitária de muita sensibilidade, usuária de implantes cocleares para que relate com suas palavras a experiência de ser implantada:

Porque eu amo o Implante Coclear

Escrito por laklobato em 26/05/2013
Lamento imensamente que haja pessoas capazes de falar mal do implante coclear…
Eu passei 23 anos de minha vida em silêncio. Silêncio este que não escolhi. Ele veio numa noite quando faltava poucas semanas para completar 10 anos e levou embora a capacidade sensorial que nos conecta com o mundo ao nosso redor.
Seria mentira se eu dissesse que fui infeliz nesses 23 anos. Quem me conheceu durante esse período sabe que sempre fui uma pessoa alegre, que tirava de letra todas as mazelas do dia a dia. Eu sempre estudei. Namorei muito. Fiz todos os cursos e viagens que o meu bolso (e da minha mãe) me permitiu. Minha vida nunca foi menor ou incompleta só porque eu tinha deficiência auditiva…
Mas, confesso que sempre senti falta de ouvir. Somos seres sensoriais. Gostamos do toque firme de um abraço. Do cheirinho de pão quente e café recém passado de manhã. Fazemos poesia para a beleza do pôr-do-sol. Adoramos o sabor das frutas frescas colhidas direto do pé. Por que ouvir seria diferente? Nosso entusiasmo depende muito do que sentimos, do estímulo desses sentidos que nos definem como seres humanos.
E, como meu sentido auditivo me foi negado pela biologia, coube buscar recursos tecnológicos para poder alcança-lo novamente.
O implante coclear não é barato, concordo. Há pessoas que ganham dinheiro com ele, também concordo. Mas são essas mesmas pessoas que tornam essa realidade possível.
E quem pode mensurar o valor monetário do pôr-do-sol ou o preço de um abraço apertado dado pelo ente amado num dia frio? Quanto você estaria disposto a pagar por aquilo que torna a vida melhor, mais intensa e verdadeira?...

Depois de 23 anos de silêncio, foi graças ao implante coclear que pude ouvir o som da chuva. O barulho do mar...
continue lendo e se emocionando:

2 comentários:

José Luís Santos disse...

Parabens!

soramires disse...

Parabéns a essas meninas que tão bem descrevem a alegria de poder ouvir!

Postar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO