domingo, 23 de novembro de 2008

DEZ DICAS PARA CONVERSAR COM QUEM NÃO OUVE.

Por Lak Lobato

Antes de qualquer coisa, é importante saber que existe mais de um tipo de deficiente auditivo. Não somos todos iguais (in)felizmente.
Existem os deficientes auditivos, que tem algum tipo de perda auditiva de leve a moderada, que geralmente se resolve com aparelhos auditivos.
Com eles, basta você falar um pouco mais alto, mas pelamordosdeuses, não fale como se você estivesse falando num megafone, porque oaparelho já ajuda muito. E, mais importante, espere ele dizer pra aumentar a voz, senão perigam os tímpanos dele estourarem junto com as suas cordas vocais!
Além deles, existem os surdos sinalizados, mais conhecidos como surdos-mudos, muito embora a maioria tenha voz, apenas não costuma usá-la ou porque não aprendeu o necessário ou porque tem vergonha/não gosta, eles falam uma língua própria, chamada Língua Brasileira de Sinais ou simplesmente Libras. Uma boa parcela nasceu surda ou perdeu a audição antes da formação plena da fala. São também chamados de surdos pré-linguais.
Há também, um grupo grande, mas menos conhecido e facilmente confundido com deficiente auditivo. São os surdos oralizados, que se comunicam através da fala oral, lêem os lábios, mas o aparelho comum não costuma resolver o problema de audição deles. Podem ser surdos
adquiridos após a aquisição plena da fala (chamada surdez pós-lingual) ou surdos de nascimento que aprenderam a falar com fonoterapia. Quando esses também falam a língua de sinais, são chamados de surdos bilíngües.
A língua de sinais não é igual ao português, tem morfologia e sintaxe própria, é um idioma independente. Não pense que basta aprender os sinais pra falar Libras. Como qualquer outra língua, é preciso estudar a estruturação da frase pra dominar esta língua.

Agora que já se sabe quais são as cores e sabores dos deficientes auditivos, voilà as dicas.


1. Fale devagar, sempre. Mas com naturalidade. Não adianta falar separando as sílabas ou articulando demais. Além de você acabar fazendo careta o tempo todo - que certamente o surdo terá que se segurar pra não rir - além de provocar dores no maxilar, periga você acabar se perdendo na linha de pensamento. Devagar, sim. Em 33 rotações, só se seu objetivo for matar o surdo de tédio.

2. Fale de frente pra ele. Se passar uma linda deusa na sua frente e você precisar virar o rosto, faça uma pausa. Cada virada de rosto é uma sílaba ou palavra perdida que poderiam alterar completamente o sentido da conversa. Jogos de adivinhação são supimpa, mas podem
causar um grande mal entendido desnecessário.

3. O volume da voz deve ser de acordo com a perda de audição da pessoa. Claro que você não precisa ser adivinho. Comece falando com o tom de voz habitual. Se necessário, a pessoa te avisa que precisa que você fale um pouquinho mais alto, mais baixo ou mantenha do jeito que
está. Além do mais, se a pessoa tem surdez quase total, não adianta gritar. Se você gritar ou falar sem voz dá na mesma. Ela apenas lê seus lábios.

4. Surdo sinalizado geralmente lê os lábios pelo menos um pouquinho. Se você perceber ou souber que o surdo é usuário exclusivo da Libras e realmente precisar falar com ele, fale de maneira simplificada. Ele provavelmente irá te entender e responder como puder (falando
oralmente, por sinais ou até escrevendo). Ficar com medo de falar com ele, faz com que ele ache que você tem medo DELE. Surdos não mordem...


5. Surdos oralizados falam oralmente, tal como diz o nome. Achar que todo surdo fala libras também é uma gafe feia. Chegar achando que está abafando porque aprendeu alguns sinais pode ser indecoroso. Muitos não apenas não falam a língua de sinais, como não tem interesse de aprender. Com eles, você pode falar normalmente. Se não entender, ele avisa, claro. A voz dele pode soar estranha pra quem não está acostumado com ela, mas ele sabe disso, fique tranqüilo. Apenas tenha um pouquinho de boa vontade e fique a vontade pra pedir pra ele
repetir, caso você não entenda alguma coisa...


6. Não tenha medo de cometer gafes com figuras de linguagem. "Você está me ouvindo" "Nossa, você já tinha ouvido falar nisso?" "Ei, ouve essa.." não fazem um surdo te odiar. Se ele for bem humorado, vai tirar sarro disso. Se ele for mal humorado... Humm, você pode dar um
chocolate pra ele. Dizem que produz endorfina, né? hehehehe


7. Às vezes, as pessoas acham que surdos/deficientes auditivos são, na verdade, pessoas antipáticas. Porque falam com elas e elas não respondem, já que a deficiência não é visível. Se, por ventura, você se deparar com uma pessoa que não responde quando você fala com ela
estando virado, existe alguma chance dela não ter boa audição. Na dúvida, pergunte.

Existem surdos/deficientes auditivos, que sentem vergonha de expor essa condição e ser mal recebidos. Quando a pergunta parte, de forma educada, do interlocutor, o surdo/deficiente auditivo, fica mais a vontade para falar disso. É claro que, pela lógica, é obrigação dele
te informar, mas nem sempre acontece. Portanto, boa vontade é capaz de milagres.

8. Para chamar um surdo, você precisa de algum sinal visual ou tátil. Você pode abanar as mãos, acender e apagar uma luz ou até tocar o ombro dele de leve. Mas, jamais dê um cutucão com força ou um tapa agressivo. Você quer conversar ou começar uma luta romana? Tacar coisas nele, só se você tiver intimidade pra ele fazer o mesmo, tem medo de você achar que é uma resposta agressiva hihihi

9. Surdo não casa apenas entre si. Se você tem curiosidade de saber se o(a) namorado(a)/cônjuge dele(a) é surdo também, pergunte. Chegar falando com a outra pessoa como se ela também fosse surda, é uma gafe perigosa. O casal pode passar horas tirando sarro de você pelas costas. Não corra esse risco!

10. Uma das piores gafes que os ouvintes infelizmente cometem, é achar que a deficiência auditiva afeta o intelecto (alias, qualquer deficiência, convenhamos). A menos que o surdo não tenha recebido educação adequada - o que acontece sim, mas é uma infelicidade não tão comum - ele tem a inteligência de uma pessoa normal. Não se preocupe em achar que ele não é bem informado ou que não vai entender alguma coisa. Como qualquer pessoa, ele pode ou não estar informado sobre determinado assunto (como música, por exemplo), pode ou não entender determinada coisa, mas isso, ele te fala, não tente adivinhar.

* Imagens do arquivo pessoal de Lak Loba

2 comentários:

Movimento Surdos Usuários da Língua Portuguesa disse...

As dicas da Lak fizeram tanto sucesso na Surdos Oralizados, que mais três dicas apareceram por lá, vejam:

Dica da Elizabeth:

Quando converso com pessoas no carro (geralmente fico calada a noite)
as vezes ligo a luz do celular para ver os lábios da pessoa que quer falar comigo...

Dica da Patty:

...se estiver escuro dentro do carro é válido acender a luz interna,quem estiver no banco de tras deve deixar a boca a mostra para que o surdo no banco da frente possa ver...

Dica da Cris:

Falar de boca cheia, mastigando, olhando para baixo, para cima e para os lados, simplesmente arrasam a comunicação. E as pessoas nem se tocam para esses detalhes... e que são muito importantes. São detalhes que apenas fazem parte da educação e da consideração pelo outro. Tenho várias amigas, por exemplo, que não são surdas, e que AMAM falar "olho
no olho" uma vez que assim elas sentem que a conversa está gerando atenção, importância, interesse...Comunicar "olho no olho" está muito relacionado a auto estima, tanto para quem fala, quanto para quem ouve ou lê os lábios...

Marcio disse...

Legal!
Gostei das dicas, valeu mesmo!!!
Vou usá-las na apresentação de eum trabalho, obrigado!!!
Nao se preocupe vou te dar os créditos, rsrs!!

Postar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO