sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

PREÇOS DE APARELHOS AUDITIVOS E EQUIPAMENTOS NO BRASIL, NINGUÉM CONTROLA???NÃO EXISTE ISENÇÃO DE IMPOSTOS? OU É MESMO PURA EXPLORAÇÃO?

NUM SITE DO BRASIL
Protetor para Retroauricular

Por: R$ 188,00 

Kit SUPER-SEALS

Protetor de látex para aparelhos retroauriculares, protege o aparelho dos terríveis danos causados pelo suor, de fácil colocação. Kit composto por 07 capas + 1 ferramenta para colocação.
Este protetor é de uso Universal, servem para as marcas Aparelhos auditivos retroauricular open fit BTE analógicos digitais am hormann interton siemens danavox widex phonak audina audifone bernafon telex audix microson starkey beltone canais programáveis hipro philips audibel oticon rexton argosyDANAVOX, SIEMENS, WIDEX, Bernafon, PHILIPS, Horman, AM, ELECTONE, UNITRON, PHONAK, MAGNATONE, ALL SOUNDs, REXTON, SONIC e muitas outras, inclusive todos os aparelhos oferecidos pelo Maior Programa Privado de Atenção a Saúde Auditiva do Brasil o Direito de Ouvir que oferece aparelhos por menos da metade do preço.
Tamanho Único (serve para todos os tamanhos de retro).

OUTRO SITE DO BRASIL

PROTETOR PARA RETROAURICULAR SUPER-SEALS (STANDAR)Por: R$ 199,00 mais frete sedex 13,40
mensagem enviada a esse site:
Gostaria de saber que impostos e outras sobrecargas se aplicam ao preço desse produto anunciado por vocês como R$ 199,00 mais frete via Sedex uma vez que no fornecedor norteamericano o kit com 12 protetores e uma ferramenta sai por U$ 27,50 mais US$ 15,00 de frete.


Estou realmente assustada com o preço oferecido e gostaria de saber a causa de tamanha diferença.

Faço parte do http://www.sulp-surdosusuariosdalinguaportuguesa.blogspot.com

e gostaria de transmitir suas explicações aos nossos leitores



NO SITE DO FORNECEDOR DO PRODUTO - ESTADOS UNIDOS:
http://www.justbekuz.com/

TEM VARIEDADE DE CORES E TAMANHOS E A GENTE TAMBÉM PODE COMPRAR SÓ OS PROTETORES SE JÁ POSSUI A FERRAMENTA, UMA PINÇA PARA COLOCAR NO APARELHO RETROAURICULAR.
Kits (12 seals & 1 tool each) (25 products -- Displaying 1 - 25)



004 Super Seals Hearing Aid Moisture Protection, Kits (12 seals & 1 tool each) * Special * Super Seals Starter Kit - Mini Navy Blue $13.75


009 Super Seals Hearing Aid Moisture Protection, Kits (12 seals & 1 tool each) Super Seals Starter Kit -Standard Brown $27.50


SÓ OS PROTETORES - SEM A FERRAMENTA:

Super Seals Hearing Aid Moisture Protection, Refills (12 seals each) * Special * Super Seals Refill - Mini Navy Blue $8.50


047 Super Seals Hearing Aid Moisture Protection, Refills (12 seals each) Super Seals Refill - Large Pink $17.00

Escrevi perguntando o custo do envio para o Brasil e a resposta é US$ 15,00
Vamos fazer as contas US$ 27,50 + 15,00 = 42,50
Cotação de hoje: R$ 1,6666
R $ 70,83 vou tentar fazer a compra e depois eu conto se valeu a pena, o tempo que demora, etc.








We can ship you the Refills via Parcel Post for $15.00 shipping. If you want to go ahead and do that you can pay with any major credit card. Please let us know what you want to do.

Elli Rathbun

Just Bekuz Products

970 834-2523
http://www.justbekuz.com/

SURDEZ E COMUNICAÇÃO - AS LIÍNGUAS DE SINAIS SÃO INCLUSIVAS? REFLEXÕES DE ANAHI GUEDES DE MELLO

REPRODUZIMOS ABAIXO O TEXTO PUBLICADO EM:
http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/sis/lenoticia.php?id=692&c=31

CONSIDERAMOS ESTA REFLEXÃO MUITO IMPORTANTE UMA VEZ QUE MUITAS PESSOAS QUE TRABALHAM NA ÁREA DE INCLUSÃO DA PESSOA DEFICIENTE, LEGISLADORES, PROFISSIONAIS E MEIOS DE COMUNICAÇÃO REPRODUZEM UMA VISÃO FALSA DE QUE TODO SURDO SE COMUNICA USANDO LÍNGUA DE SINAIS, NO BRASIL CHAMADA LIBRAS.
O TEXTO ORIGINAL NÃO É RECENTE (2005) O QUE PROVA QUE O PROBLEMA CONTINUA EXISTINDO  E QUE DEVEMOS CONSTANTEMENTE REFRESCAR A MEMÓRIA...
ANAHI GUEDES DE MELLO É UMA PESQUISADORA QUE CONHECE MUITO BEM O ASSUNTO UMA VEZ QUE É SURDA ORALIZADA E USA IMPLANTE COCLEAR.

PARA MIM É MUITO OPORTUNO REENCONTRAR ESTE TEXTO PORQUE ONTEM MESMO AO VER UM PROGRAMA DE UMA EMISSORA OFICIAL (TV CAMARA OU CONGRESSO) FIQUEI MUITO IRRITADA E ME SENTI DISCRIMINADA POR NAO TER LEGENDAS EM PORTUGUÊS, SOMENTE UMA JANELA DE LIBRAS.

As línguas de sinais são inclusivas?


O que precisamos discutir é que modelo de inclusão queremos, visto que os Surdos querem o apartheid


Anahi Guedes de Mello *



"Aceita sua sina, poeira de estrelas mortas!

Sua sina é pensar sua existência!"

Recentemente foram veiculadas notícias que nada mais mascaram explicitamente o "Nacionalismo Surdo":

Os deficientes auditivos são uma nação à parte?
http://saci.org.br/index.php?modulo=akemi&parametro=15289

Americanos planejam a primeira "cidade para surdos", diz New York Times
http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI491494-EI294,00.html


Em torno do que essas notícias giram e com elas seus defensores justificam a existência de uma "Cultura Surda", com seu inescondível e fervoroso "Orgulho Surdo"? Nas línguas de sinais, quaisquer que sejam. Dizem que a língua de sinais é a língua natural dos surdos. Mas permitam-me questionar isso, porém não querendo com isso desmerecer as várias línguas de sinais no mundo inteiro, posto que eu um dia pretendo aprender uma. A pergunta maior que fica no ar é: será que as línguas de sinais são inclusivas?

Em primeiro lugar, não existe isso de uma língua de sinais ser a língua materna de todos os surdos ou pessoas com deficiência auditiva. Muito menos que ela seja "a língua natural dos surdos". Se assim o fosse, então todos os surdos, incluído eu, teríamos essa língua como regra, o que não é verdade. Pensemos bem: por que razão falamos, escrevemos e pensamos em português e não em inglês ou espanhol ou francês? O que nos fez ter o português como nossa língua materna não é o processo natural em si mas a sua aquisição cultural. Logo, língua alguma é natural, é aquisição cultural. O que é natural é a linguagem. Língua e linguagem são duas coisas completamente diferentes, isso os lingüistas sabem muito bem.

Em segundo lugar, minha pergunta baseia-se muito mais fortemente em ver a surdez como uma questão sociológica, muito mais do que a simples questão de querer enxergar a surdez, segundo alergam a corrente antropológico-cultural da surdez, como uma diferença.

Tenho observado, mesmo porque já trabalhei numa empresa de microeletrônica e portanto vi isso de perto em diversas oportunidades, que as mães de pessoas surdas não oralizadas são quem vai direto às empresas conversar com os chefes para pedir empregos para seus filhos surdos, o que assinala, a meu ver, a dependência familiar, mesmo quando se trata da vida profissional. Assim, as mães também participam como "atrizes sociais" desse processo. Essa questão é bem delicada e tem a ver com o fato do surdo não dominar a língua portuguesa oral e escrita, ficando mais restrito à língua de sinais.

Tenho também observado que a questão da escrita nestes casos tem sido um impedimento para a inserção no mercado de trabalho desses surdos, já que estes muitas vezes não a dominam também. No entanto noto que as empresas estão, na sua grande maioria, desenvolvendo cursos de Libras (língua brasileira de sinais) para facilitar a comunicação entre os empregados ouvintes e surdos, partindo de uma visão equivocada sobre as pessoas surdas.

Tenho observado também que os surdos oralizados são os que mais êxito obtêm na vida, inclusive profissional e social, embora problemas ainda existam. Os cegos há muito descobriram que saber o Braille não lhes garante um futuro profissional. Da mesma forma, os surdos saberem só língua de sinais não lhes garante isso, visto que não se podem obrigar as empresas a possuírem transcritores para Braille, muito menos forçá-las a adotar a Libras. Ora, se o cego não pode ler o que se escreve a ele e os demais não podem entender o que ele escreveu, resta-lhe o mais baixo dos mais baixos níveis de trabalhos manuais, o que dirão dos surdos?

Imagine agora que os surdos conquistem o que estão pretendendo. Sua escrita não poderá ser corrigida e, por esse motivo, ele não poderá ser reprovado. Então, quando ele se empregar, não saberá ler o que se escreve a ele, bem como ninguém entenderá o que ele escreveu. O resultado é que, perante a sociedade ouvinte que os Surdos (em "s" maiúsculo como eles fazem tanta questão, é claro) tanto "repudiam", eles serão analfabetos e, mesmo com política de cotas, será difícil empregá-los. Pior do que isso, eles pleiteiam que os pais tenham suas ausências para aprender Libras remuneradas pelo empregador, como se os pais que fossem aprender Libras ou o Braille pudessem abandonar o trabalho para isso. O resultado é que vão estender a discriminação a eles também, visto que não somente os surdos custaram mais caro, como também os familiares.

O que precisamos discutir é que modelo de inclusão queremos, visto que os Surdos querem a "Apartheid".

Eu poderia até ponderar que os argumentos desses Surdos fossem válidos se eles não passassem de sofismas. Por exemplo, o argumento de que, se o piano estiver longe do pianista, fica impossível tocá-lo, é extremamente válido mas não justifica puxar o piano ao invés de se empurrar o banquinho do pianista. O que eles querem é que a sociedade curve-se perante as particularidades dos surdos e que ela aceite que eles são uma subespécie da raça humana, cuja sociedade permeia a nossa. E permear não tem nada a ver com incluir. O que estou dizendo é que, não importando se o surdo se comunica em língua de sinais ou é oralizado, ele precisa conviver na mesma sociedade que eu ou você. Terá que assinar contratos de aluguel, ler instruções de equipamentos eletrônicos, procurar ruas nos guias e tudo o que uma pessoa comum tem que fazer para incluir-se no meio maior. Resumindo, é evidente, claro e cristalino que eu entendo que os surdos tenham dificuldades adicionais, caso contrário, a surdez não seria uma deficiência. Isso, no entanto, não implica em que os surdos não aprendam o idioma de seu país porque, independentemente da vontade do indivíduo, ou mesmo do grupo, é o idioma que rege as relações sociais em nosso país e o surdo que não o dominar corre sério risco de exclusão em diversos setores da sociedade.

Para terminar, quero alertar para a existência de um sutil apartheid entre os surdos e o resto da sociedade. Achar que resolver todos os problemas simplesmente aceitando que os surdos são diferentes do resto da sociedade como argumento é deveras sedutor, é o fim da picada, é a transcrição do "paz e amor" com anos de atraso. A questão não é o surdo ou o ouvinte, o cego ou o vidente, o cadeirante ou a pessoa que anda normalmente. A questão é a distorção do entendimento da inclusão e da guetificação. Se divergimos sobre o que é inclusão, como é que poderemos lutar por ela? Se incluir é respeitar as diferenças e manter cada um em um grupo fechado, então deveremos tomar um caminho. Por outro lado, se incluir é, respeitando-se as diferenças, criar meios de convivência, então o caminho deverá ser outro. Mesmo no mundo do trabalho. Nunca se esqueçam - nunca mesmo - de que o argumento da África do Sul para implantar o apartheid foi justamente o de que os negros eram diferentes dos brancos e que, respeitando-se as diferenças, o desenvolvimento deveria ocorrer paralelamente e não em conjunto. Assim, qualquer semelhança entre esses casos reais terá sido mera coincidência.


Florianópolis, abril de 2005. Agradecimento especial a Luiz Alberto M. de Carvalho e Silva.

* Membro-integrante do grupo de pesquisa em Acessibilidade & Tecnologias do Laboratório de Experimentação Remota da Universidade Federal de Santa Catarina (RExLab/UFSC) e presidente do Centro de Vida Independente de Florianópolis (CVI-Floripa),

FELIZ ANO NOVO E MUITA DISPOSIÇÃO PARA DIVULGAR NOSSA CAUSA: RESPEITO, INCLUSÃO POLÍTICA, SOCIAL E CULTURAL, EQUIPAMENTOS E AJUDAS TÉCNICAS LIVRES DE IMPOSTOS!!!!!!!

VAMOS ESPERAR QUE AS NOVAS AUTORIDADES FEDERAIS ASSUMAM SEUS CARGOS E QUE OUÇAM E ATENDAM NOSSAS JUSTAS REIVINDICAÇÕES.
SE PERMANECERMOS UNIDOS PODEREMOS CONSEGUIR NOSSOS OBJETIVOS.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Notícias sobre surdez, aparelhos, pesquisas, etc

Nuevos artículos en www.spanish.hear-it.org:




La pérdida de audición puede causar pérdida de empleo y de ingresos



No obstante, el uso de audífonos reduce el impacto de la pérdida de audición en el entorno laboral...



Lea el texto entero aquí:

http://www.spanish.hear-it.org/page.dsp?page=7103

Se descubre una proteína que podría restablecer la audición
Investigadores de la Universidad de California en San Diego han descubierto que la proteína Sox2 está involucrada en el proceso por...
Lea el texto entero aquí:

http://www.spanish.hear-it.org/page.dsp?page=7107

Incluso una pérdida de audición leve puede afectar en la capacidad de aprendizaje del niño
Los estudios pediátricos demuestran que incluso una pérdida de audición mínima en el niño afecta...Lea el texto entero aquí:

http://www.spanish.hear-it.org/page.dsp?page=7111

Estimula tus sentidos
Como persona sorda o con discapacidad auditiva puede resultar difícil percibir la emoción y el ritmo en un evento musical. Gracias al proyecto social de la fundación...



Lea el texto entero aquí:
http://www.spanish.hear-it.org/page.dsp?page=7115


Un estudio indica que el tinnitus podría curarse si se trata de inmediato tras su aparición, al menos temporalmente.
Algunos tipos de tinnitus...
Lea el texto entero aquí:
http://www.spanish.hear-it.org/page.dsp?page=7118

La pérdida de audición inducida por ruido afecta más a los hombres
La televisión y la radio, los aviones y el ruido del tráfico, forman parte de la banda sonora...
Lea el texto entero aquí:

http://www.spanish.hear-it.org/page.dsp?page=7121

El sonido infrasónico: un enemigo silencioso
El ser humano no puede oír las ondas de sonido infrasónico, debido a que estas frecuencias están por debajo de la capacidad auditiva del...
Lea el texto entero aquí:

http://www.spanish.hear-it.org/page.dsp?page=7125

Notícias sobre surdez, aparelhos, pesquisas, etc

Nueva causa de la pérdida de audición relacionada con la edad

Investigadores de la Universidad de Florida y la Universidad de Wisconsin han descubierto que la proteína Bak puede ser en parte responsable de hasta el 50 por ciento de las pérdidas de audición en personas mayores de 65 años.

Los millones de diminutas células ciliadas que hay en el oído interno nos permiten oír. La pérdida de audición relacionada con la edad implica que algunas de estas células ciliadas, los nervios y la membrana celular se mueren. Debido a que las células nerviosas y ciliadas no se regeneran en el ser humano, su muerte tiene como consecuencia una pérdida de audición permanente.
Investigadores de los Estados Unidos acaban de descubrir, con la ayuda de experimentos en ratones, que estas células ciliadas sensoriales pueden llegar a morir si la denominada membrana mitocondrial, que protege a estas células, se destruye. Esto puede ocurrir si existe una concentración demasiado alta de proteína Bak. En estos casos, las proteínas buscan el modo de salir de la célula y pueden romperla, provocando la muerte celular. La proteína Bak suele inducirla el exceso de agentes oxidantes, cuyos niveles aumentan con la edad.
“Por tanto, si el exceso de oxidantes desencadena daños y la muerte de las células relacionadas con la audición, aumentar las defensas antioxidantes de la mitocondria debería reducir dichos daños”, explica el investigador posdoctoral Jinze Xu, uno de los científicos del estudio.



Los experimentos muestran que los ratones más mayores que carecían de proteína Bak tenían la misma audición que los ratones más jóvenes.



Se estima que tan solo en los Estados Unidos más de 28 millones de norteamericanos padecerán esta afección en 2030.



Fuentes: http://www.eurekalert.org/
 http://www.pnas.org/

Leia mais notícias sobre surdez em:
http://www.spanish.hear-it.org/page.dsp?page=7103

MANIFESTO SULP: Mais adesões ! e comentários interessantes.

123 WALKYRIA CIOFFI (e-mail restrito) Sou deficiente auditiva bilateral severa, assim como minha mãe, e queremos igualdade de direitos. Está na hora de começarem a pensar no surdo, acreditamos que deveria existir a obrigatoriedade de legendas em todas as produções nacionais, afinal também temos direito ao entretenimento, bem como a igualdade juntos aos demais deficientes de ter benefícios aos quais não somos enquadrados, tal como a isenção de IPI na aquisição de veículos. Por que somos considerados diferentes dos cegos, paraplégicos, autistas, etc? Somos ou não somos deficientes?! Espero que muitas pessoas possam participar desse abaixo-assinado para que uma mobilização maior seja feita. Abraços, Walkyria


122 Thiago Cristino (e-mail restrito) Digo não à uma tentativa de oferecer apenas uma única forma de ensino-aprendizagem para o surdo. O SURDO pode mais!


121 Julie dos Reis Salomão () Tenho deficiência auditiva moderada-severa bilateral adquirida aos 2 anos e meio de idade e faço uso de aparelhos auditivos há um ano. Utilizo a Lingua Portuguesa para me comunicar.


120 martha gevaerd (e-mail restrito)


119 Jusselia Bengert Lima (e-mail restrito) Repasse o abaixo assinado para toda a sua lista. Queremos ver os filmes feitos no Brasil: temos o direito de acesso a nossa cultura.


118 Renaato José Ribeiro () Elaboro projetos de forma gratuita para captação de recursos junto a órgão públicos. Procuro sempre informações oficiais para argumentar meus trabalhos dirigidos aos deficientes.


117 Rogerio Veloso da Silva )


116 clea wanderley (e-mail restrito)


115 Dimára Guastapaglia () Ultimamente, os canais de televisão estão dublando os filmes. Eles pensam mais nos analfabetos do que nos surdos, porque os filmers acima de 10 anos, podem ser legendados e dublados também, isso pensando nos analfabetos. Eu tive dificuldade de assistir o filme AVATAR em 3 D, porque em todos os cinemas estavam passando cópias dubladas e eu não entendo nada. Sou deficiente auditiva e tenho 30% de audição. Não assisto jornasl e nem filmes brasileiros, nem novelas, porque não dá. Gostaria de me juntar com vocês para esta luta. Obrigada pela oportunidade. Dimára


Agradecemos a todos que assinaram e divulgam nosso manifesto.
Esperamos seguir juntos nessa luta pelo respeito e pela inclusão!!!